quinta-feira, março 09, 2006

Hoje há festa no Navio

Inauguração e Japão


Inauguração da exposição de fotografia de Rui Gonçalves
Fotógrafo amador, observador por natureza, acredita que a fotografia capta locais ou momentos.
Considera que os melhores momentos são aqueles que ficam registados na nossa memória e que jamais poderão ser documentados por uma fotografia. Porém, procura explorar o grafismo e as nuances dos pormenores, que, com o tempo, se vão apagando da memória e que a fotografia ajuda a resgatar do esquecimento.

Esta exposição vai estar patente na livraria até 7 de Abril.

Em Discurso directo:

nihon ni kaerimasu - 10 de Março a 7 de Abril - o navio de espelhos

"Em 2003 trabalhava, em Portugal, numa empresa japonesa. Depois de umas
decisões estratégico-desastrosas ligadas ao lançamento no mercado chinês de
um novo produto, para o qual estávamos a trabalhar há 4 anos, fui
"convidado" a visitar o país do sol nascente. Assim, no período de 24 de
Maio a 18 de Junho e posteriormente entre 1 e 18 de Dezembro, desse mesmo
ano, estive a trabalhar no Japão.21.30h
Foi apenas um mês e meio no total, mas foi de tal maneira intenso que é
difícil não cultivar um fascínio especial pelo país. Não foi por causa das
longas (algumas vezes 18) horas de trabalho diárias, nem pelo trabalho ao
sábado, mas pelas horas roubadas ao sono para se poder viver um bocado da
cultura local durante os dias de semana e ainda pelos domingos de folga, que
eram vividos desde manhã cedo, porque eram valiosas aquelas horas de
"descanso".
Em 2005, uma amiga que estava num grupo de preparação de um fim-de-semana
dedicado ao Japão em Aveiro, sabendo que eu lá tinha estado, convidou-me a
preparar e propor uma exposição de fotografia sobre o país. No entretanto
ela saiu da organização e a minha proposta para a exposição foi recusada
pelo "elevado custo que o evento já estava atingir". Felizmente O Navio De
Espelhos, soube aproveitar a minha proposta e a exposição arrancou, estando
patente na livraria de 10 de Março a 7 de Abril de 2006.
Esta exposição tenta enquadrar as fotografias que fui tirando com alguns
textos que fui escrevendo e mandando aos meus amigos, descrevendo as
aventuras, desventuras, surpresas e experiências que fui absorvendo por lá.
Algumas fotografias foram tiradas com pouca definição, com pouca dedicação,
acima de tudo com poucas horas de sono e com muito deslumbramento. Algumas
nem seria dignas de uma exposição e muitas outras mereceriam ser mostradas.
Mas penso que é o todo que conta e mesmo que sejam só 20 fotografias
expostas com os textos, haverão outras que serão mostradas e comentadas na
inauguração e que não estão aqui.
Espero que gostem e que apareçam, a 10 de Março, para uma conversa e um
Sakê."