domingo, outubro 02, 2005

Sopra na voz até que dê som


A Palavra amor está quase vazia / está quase cheia

E o António Poppe mudou as malas cheias de poemas aqui para o sofá até libertar o livre curso da poesia. As palavras rodaram no ar, tanto. Até à embriaguez do verso. Até pensarmos: Feliz aquele que administra sabiamente a memória e aprende a reparti-la em poemas.


Recebemos o Paulo da Costa, directamente do Canadá. Lemos os poemas deste interessante poeta bilingue. Conversámos sobre tradução e do que pode ser contar alguma coisa numa língua, porque apenas se podia fazer assim, e depois vertê-la para outra.

Espreitem-no em http://www.paulodacosta.com.