quarta-feira, agosto 11, 2004

E já que está a chover (2)




PEQUENO VADE-MÉCUM
Michel de Montaigne
Tradução: Luís Leitão
Revisão: Ana Paixão
125 páginas - € 12,00
Ano da Edição: 2004
Edição: Antígona

Pode ler-se do lado de fora

"É surpreendente, quatro séculos depois da sua morte, que a densidade do pensamento de Michel de Montaigne (1533-1592) nos ofereça ainda tanto para descobrir. Montaigne, que nasceu e morreu numa época marcada pelas intolerâncias de protestantes e católicos, fez dos seus Ensaios um hino à vida, um hino tenaz e inadiável. E, quando, a mais de quatrocentos anos da sua morte – neste nosso tempo de tolerâncias forçadas, complacências de superfície, outro modo afinal de engordar fundamentalismos e guerras santas, abusos do Direito (sendo este um oportuno alheamento do ser único), formas sub-reptícias de assacar e infligir o poder –, relemos este autor, somos arrebatados pela modernidade do seu espírito: a recusa absoluta de transformar a opinião em poder, o desprezo pela violência, a defesa intransigente do prazer.
Este Pequeno Vade-mécum, composto por fragmentos e trechos retirados dos Ensaios, pretende constituir-se um luzeiro para o leitor não especialista penetrar a «floresta luxuriante» de Montaigne."

"Só podemos abusar das coisas que são boas" Montaigne


E lá dentro:

"Ulisses

Em Homero, as sereias, para enganar Ulisses e o atrírem para as suas perigosas e ruinosas teias, oferecem-lhe o dom da ciência. A peste do homem é a vontade de saber. Eis por que motivo a ignorância nos é tão recomendada pela nossa religião como qualidade adequada à crença e à obediência. (II,XII)

cf.Fé, Ignorância 2 , Ciência 1"

"Vertigem

Se colocarmos um filósofo numa gaiola de finos arames de malha larga e o pendurarmos no alto das torres da Notre Dame de Paris, ele verá com toda a evidência que é impossível cair e , no entanto, não poderá evitar (se não tiver como mister a cobertura de telhados) que a vista dessa altura extrema o apavore e o faça estremecer. (II, XII)

cf. Costume 3, Imaginação, Medo, Filosofia 1, Sentidos"

"Livro

[...]

2. (Os livros) são as melhores provisões que encontrei
para esta humana viagem. (III,III)
cf. Amor 2, Estudo, Fanatismo 2, Leitura, Memória, Tradução, Viagem 4"